21/01/2009

Corta-Mato Concelhio Inter-Escolas adiado

O mau tempo que tem feito em grande parte do País, nomeadamente na Região Norte, levou o Instituto de Meteorologia a elevar o alerta em muitas das nossas cidades. Em Santo Tirso a chuva tem sido uma constante nos últimos dias, mas até não tem havido, ao que julgo saber, grandes problemas. É por isso com alguma pena que constato, no noticiário local, que estava previsto para hoje o Corta-Mato Concelhio Inter-Escolas, mas que a iniciativa foi cancelada devido às previsões de mau tempo. Fica adiado para o próximo dia 28.

6 comentários:

Anónimo disse...

http://santotirsotodaaverdade.blogspot.com/

Anónimo disse...

http://santotirsotodaaverdade.blogspot.com/2009/01/jornal-santo-thyrso.html

Anónimo disse...

Depois da Casa Pia, o PS atola-se com o Freeport. Enganam-nos a dizer que querem justiça célere. A polícia inglesa é que deve ser tótó ao inventar o que JÁ NÃO SE PODE ESCONDER. Obviamente demitam-nos!

Anónimo disse...

25.01.2009
14:34
Portugal - Castelo Branco“As pessoas percebem que, no mínimo, há uma estranha coincidência”. Pois percebemos é obvio que percebemos. O povo português é muito mais inteligente do que alguns querem fazer dele", Pois é obvio que os Portugueses são bem mais inteligentes do que os politicozecos, os da intriga politica querem fazer do povo Português. Mas quero lembrar senhores políticos que por sermos inteligentes não quer dizer que aceitemos que as vossas declarações da manha não sejam iguais às da tarde ou de um dia diferentes do outro a seguir. Quero dizer-lhes senhores políticos que a nossa inteligência permite-nos continuar a pedir respostas e explicações para os fluxos dos dinheiros, para a inoperância das instituições, para os paraísos fiscais, para as investigações de policias estrangeiras, para os mails a pedir cobranças de trafico de influencias, para os esquecimentos convenientes, para os ditos por não ditos, para as afirmações contraditórias dos camaradas, para a falta de responsáveis, para o caos em que o pais se encontra. Senhores políticos se pensam que a inteligência do povo é eternamente aquela que vos convém, seguramente um dia destes não só a historia a escrever mas também o povo inteligente exigirá que consciência tranquila seja crime devidamente punido. E já agora senhores políticos por proximidades eleitorais ou qualquer outro motivo que sempre vocês arranjam nunca é inconveniente praticar a justiça, a justiça não tem timing é constante da vida e é intemporal.

Anónimo disse...

http://cronicasdovale.blogspot.com/

Anónimo disse...

Malditos ingleses
O senhor presidente do Conselho disse aos indígenas deste sítio cada vez mais corrupto e cada vez mais mal frequentado que estava indignado com as notícias sobre o caso Freeport e que ia defender a sua honra e honestidade até ao fim.



Também avisou, não se sabe bem a quem, de que não era com este tipo de ataques que o atiravam ao tapete. Falou ainda em insultos e difamação. Tudo com um ar feroz, a olhar sabe-se lá para quem. Para os jornais e jornalistas não era certamente, porque não foram eles que licenciaram o empreendimento de Alcochete a três dias das eleições de 2002. Para os dirigentes da Oposição não era certamente, porque têm estado mudos e quedos.

A indignação, os avisos, as ameaças, a voz alterada, o ar de animal ferido não podem ter como alvo o procurador do Montijo e o juiz de instrução do mesmo tribunal que desconfiaram da celeridade do processo, das irregularidades do mesmo e nomearam uns tantos suspeitos de corrupção passiva para actos ilícitos.

A acusação de perseguição não pode ter como destinatários o procurador-geral da República, Pinto Monteiro, e a procuradora Cândida de Almeida, responsável do DCIAP, que ordenaram as buscas a um escritório de advogados, a um ateliê de arquitectura e a uma empresa do tio do senhor presidente do Conselho. O animal feroz só se pode sentir difamado e atacado por um tio que admitiu ter combinado um encontro do então ministro do Ambiente com um promotor do Freeport e por um primo que aproveitou a boleia da audiência para pedir uns contratos de publicidades aos responsáveis da polémica obra de Alcochete.

Os avisos e as ameaças do senhor presidente do Conselho só podem ter como alvo os polícias britânicos que andam há uns tempos a investigar a falência da Freeport Plc, que tinha como accionistas importantes figuras da sociedade inglesa e até membros da família real. As ameaças indignadas do senhor presidente do Conselho só podem ter como destinatário o seu camarada inglês Gordon Brown, primeiro-ministro do Reino Unido, que ainda não fez nada para parar as investigações em curso e que, ainda por cima, deixa as autoridades inglesas contarem alguns pormenores da investigação aos seus colegas lusos e passarem algumas informações para a Comunicação Social indígena.

Os cidadãos deviam ser poupados a este tipo de fitas, ainda por cima em tempos de crise. Cenas dramáticas de corrupção no Freeport só mesmo em inglês.

António Ribeiro Ferreira, Jornalista